5 passos para iniciar uma vida com menos plástico

Todos nós temos um vício em comum: plástico. Basta dar uma olhada em nossas casas, especialmente na cozinha e no banheiro, que percebemos isso sem dificuldade. Uma ida ao supermercado é suficiente para nos depararmos com um mundo de embalagens e sacolas plásticas. De onde veio esse plástico? Para onde ele vai depois que for usado? É possível reduzir nosso consumo?

Obtive as respostas para essas e outras perguntas assistindo ao premiado documentário Bag It: is your life too plastic?” lançado em 2010. Nele, cientistas e especialistas se reuniram para discutir os problemas relacionados aos plásticos.

Pôster do documentário "Bag it: is your life too plastic?", que retrata o problema do plástico.
Imagem: pôster do documentário (www.bagitmovie.com)

Do que são feitos os plásticos?

Eles são fabricados a partir de combustíveis fósseis, como o petróleo e o gás natural. Esses combustíveis são recursos não renováveis, ou seja, quando forem completamente explorados, não poderão mais ser repostos.

Nos produtos plásticos, também estão presentes as substâncias Bisfenol A (BPA), usada para endurecê-los e Ftalatos (PVC), usados para deixá-los mais maleáveis. Diversas pesquisas, como essa e essa têm associado nosso contato contínuo com essas substâncias a uma série de disfunções hormonais que levam a problemas como puberdade precoce, obesidade e baixa contagem de espermatozóides.

Para onde vai todo esse plástico?

Aquilo que não vai parar nos aterros e lixões têm um destino certo, o oceano, e isso tem causado uma grande preocupação em cientistas do mundo todo. Ao longo do documentário, vários dados preocupantes foram revelados, dentre eles:

  • No mundo, o consumo de sacolas plásticas é de 1 milhão por minuto. Isso equivale a 500 bilhões de sacolas por ano;
  • 2 milhões de garrafas plásticas são consumidas a cada 5 minutos apenas nos Estados Unidos;
  • 80% do lixo que chega aos oceanos tem origem no continente;
  • Cerca de 260 espécies marinhas estão sendo diretamente afetadas por essa grande quantidade de lixo, seja por ingestão ou emaranhamento. Uma das grandes afetadas é a Tartaruga Marinha.
  • Estima-se que plástico mata 100.000 animais marinhos todos os anos.
Aves que se alimentam de animais marinhos estão entre as grandes afetadas pelos plásticos no oceano
Foto: aves que se alimentam de animais marinhos estão entre as grandes afetadas pelos plásticos no oceano (Chris Jordan)

O documentário também aborda a Grande Mancha de Lixo do Pacífico, uma “sopa de plástico” presente no norte do Oceano Pacífico. Uma grande quantidade de lixo chega a essa região e fica presa pelo conjunto de correntes oceânicas lá presentes. Lá, toneladas de plástico permanecem flutuando, degradando em pedaços cada vez menores (microplásticos) e sendo confundidos com comida por animais marinhos.

Mancha de lixo (em sua maioria plástico) presente no Oceano Pacífico.
Imagem: mancha de lixo presente no Oceano Pacífico (NOAA Marine Debris Program)

E não foi só no documentário que encontrei dados como esses. Em 2016, em  um relatório publicado pelo Fórum Econômico Mundial e pela Ellen MacArthur Foundation chamado “A Nova Economia de Plásticos”, novos dados foram revelados, dentre eles:

  • A cada ano, pelo menos 8 milhões de toneladas de plástico são lançadas no oceano;
  • Estima- se que, hoje em dia, há cerca de 150 milhões de toneladas de plástico no oceano e que, em 2050, ele terá (em peso) mais plástico que peixes!

Os canudos são um problema a parte. Segundo o Instituto Akatu, se construíssemos um muro de 2,10 metros com canudos que os brasileiros consomem em um ano, seria possível dar uma volta completa em torno da Terra, em uma linha de mais de 45 mil quilômetros. Os dados americanos são ainda mais assustadores. Segundo o National Park Service, somente nos Estados Unidos, são consumidos cerca de 500 milhões de canudos por dia!

É possível reduzir nosso consumo?

Ainda não é possível eliminar o plástico de nossas vidas e ele, inclusive, é revolucionário em vários aspectos. Já parou para pensar na importância das seringas plásticas descartáveis para a medicina? Mas mesmo seringas descartáveis devem ter uma destinação correta e não são elas que estão ameaçando nosso oceano.

Como já mencionei, o caminho para uma vida mais sustentável não é percorrido de um dia para o outro, é diferente para cada pessoa e pode ser melhorado sempre. Existem várias ações para reduzir o consumo de plástico em nosso dia a dia, mas, nesse post, vou focar em soluções para a redução do consumo dos descartáveis, que são aqueles que utilizamos por poucos minutos e jogamos fora. Resumindo: sacolas, talheres, copos, garrafas e canudos.

5 passos para iniciar uma vida com menos plástico

Meu kit de produtos reutilizáveis para recusar plásticos.
Foto: meu kit de produtos reutilizáveis

 

1- Substitua dezenas de copos descartáveis por um copo dobrável reutilizável: eu tenho um copo de aço inoxidável há um tempo, que já usei diversas vezes, mas recentemente comprei o de silicone do Menos 1 Lixo, idealizado pela Fernanda Cortez. O copo do Menos 1 Lixo é de silicone, tem capacidade para 400mL e não vaza. Além disso, é produção nacional e tem garantia de responsabilidade socioambiental, como a Fernanda explica nesse vídeo aqui. O copinho de aço inox é mais barato e pode ser encontrado no site da Paz em Gaia. Ele não é produção nacional, tem capacidade para 200mL e de vez em quando vaza um pouquinho do conteúdo pelas frestas, mas substitui o copo descartável em várias situações. A escolha varia de pessoa para pessoa.

2- Substitua talheres de plástico descartáveis por um kit de talheres reutilizáveis: eu tenho um kit de metal há um bom tempo também. Existe uma variedade de modelos, de bambu, dobráveis e de metal. Recentemente encontrei um kit mais sustentável, produzido pela Pacco, que vende produtos reciclados e veganos!

3- Utilize canudo reutilizável: o canudo é apenas um acessório quando se trata de várias bebidas, mas caso você queira um para tomar água de coco e bebidas mais grossas, como milk-shakes e vitaminas, há alternativas aos de plástico. Nas minhas buscas pelas melhores opções, encontrei um modelo de canudo de bambu, que é produzido artesanalmente pela Paz em Gaia em parceria com a comunidade de Ilhabela – SP. Encontrei também os kits de canudos de aço inoxidável produzidos pela Beegreen e os de vidro temperado produzidos pela MentaH!. Comprei um de vidro da MentaH! por achar que seja prático para limpar.

4- Substitua dezenas de garrafas plásticas por uma resistente: eu tenho uma de alumínio da Quechua, que comprei na Decathlon já faz um bom tempo, ela é resistente e evita que eu fique usando garrafinha de plástico no meu dia a dia. Se está buscando por uma opção nacional e ainda mais sustentável, existem as garrafas produzidas pela Pacco.

5- Recuse sacolas plásticas e utilize sacolas de pano: elas já estão bem populares e são vendidas em vários lugares, normalmente personalizadas. São ótimas para substituir aquele tanto de sacolas plásticas e de papel quando você vai fazer compras de qualquer tipo.

Pronto! Com esses utensílios reutilizáveis, você pode recusar vários itens descartáveis. Eu mantenho tudo (menos a garrafa) em um nécessaire dentro da minha bolsa. Se você não carrega bolsas grandes, pode selecionar os itens mais prováveis de serem usados em cada passeio e levar apenas eles.

Claro que alguns desses itens são mais caros e nem todo mundo consegue comprar tudo de uma vez (eu comprei o canudo há pouco tempo e ele ainda não chegou). A solução é recusar sempre que possível e reciclar quando não puder recusar. O importante é cada um fazer sua parte como puder.

Share
Facebook
Facebook
TWITTER
Instagram

4 thoughts on “5 passos para iniciar uma vida com menos plástico

  1. Muito interessante a matéria Isabella. Espero possamos todos nos conscientizar a respeito e colaboramos de alguma forma para mudarmos esta cultura. Contamos, obviamente, com ideias de pessoas engajadas como vc. Parabéns, gde abraço daquele que lhe viu bem pequenininha.
    João Carlos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *